Pensões nos bancos, uma possibilidade irreversível

Criado em 24-01-2012

altA decisão da direcção do Instituto Nacional de Previdência Social em domiciliar todas as pensões que acima dos 50 mil Fcfa nos bancos é irreversível. No ano passado os pensionistas foram lançados este desafio, mas praticamente ninguém respondeu, ou um número ínfimo aceitou o apelo. Este ano, a estratégia é outra. De acordo com um despacho do Director-Geral do INPS, se até o dia 20 de Março os pensionistas que recebem mais de 50 mil Fcfa não entregarem as suas contas, o INPS vai entrar em contacto com os bancos com vista a resolver o problema.

Entre várias possibilidades existentes, a direcção do INPS pondera solicitar aos bancos comerciais a abertura de contas de certos pensionistas, para que de taxas de juro de domicílio sejam descontadas no futuro. O INPS acha que esta medida para além de ser a mais segura na gestão dos fundos de Segurança Social, visa dar mais garantias e facilidades aos pensionistas na gestão das suas pensões.

“Não chegamos a extremos, mas somos obrigados a tomar uma decisão. Muita gente deve não ter percebido o que queremos e não podíamos ficar amarrado se não responderem”, comentou ao www.inpsguine.teste.gov.cv, um alto responsável daquela instituição de segurança social.

Em relação ao interior, a decisão existente no INPS é de conferir poderes a todos os responsáveis das delegacias no sentido de passarem a pagar as pensões e prestações localmente.

“Não faz sentido as pessoas continuarem a deslocar a Bissau, para se tratar de problemas que podem resolver onde existem as delegacias. Aliás, foi este o motivo que nos levou a abrir delegacias nas provícias. Portanto apelamos a todos aqueles que dispõem de alguma prestação, para que dirijam a sede mais próxima”, afirmou, o Director-Geral, Mamadú iaia Djaló.